O Sistema de Gestão de Energia (S.G.E.) e desenvolvido com base na norma ISO 50001 e tem por objetivo principal gerir todos os grandes consumidores da edificação e instaurar uma política energética onde todos usuários da edificação serão envolvildos afim de buscar juntos a eficiência energética do sistema.

Para tal ação é desenvolvido um ciclo P.D.C.A. da edificação onde para cada etapa é desenvolvido um módulo de análise para se obter melhores resultados em eficiência energética.

Abaixo ciclo completo sendo demonstrado:

Fluxograma Eficiência Energética

Etapas desenvolvidas:

* clique nas estapas para saber mais

  • Política Energética

    A política energética irá declarar o comprometimento da organização para atingir a melhoria do desempenho energético. A alta direção definirá a política energética e garantirá que esta:

    1. Seja apropriada à natureza e escala do uso e consumo de energia da organização
    2. Inclua um comprometimento para melhoria contínua de desempenho energético
    3. Inclua um comprometimento para garantir a disponibilidade de informações e de recursos necessários para atingir objetivos e metas
    4. Inclua um comprometimento para cumprir com os requisitos legais aplicáveis e outros requisitos aos quais a organização subscreve em relação à eficiência, uso e consumo de energia
    5. Forneça uma estrutura para estabelecer e revisar objetivos e metas energéticas
    6. Apoie a aquisição de produtos energeticamente eficientes, assim como de serviços e projetos para melhoria do desempenho energético
    7. Seja documentada e comunicada em todos os níveis da organização
    8. Seja regularmente revisada e atualizada se necessário
  • Planejamento Energético

    Geral

    A organização deve conduzir e documentar o processo de planejamento energético. O planejamento energético deve ser consistente com a política energética e deve levar a atividades que melhorem continuamente o desempenho energético.

    O planejamento energético deve envolver uma revisão das atividades da organização que possam afetar o desempenho energético.

  • Implementação e Operação

    Geral

    A organização deve utilizar os planos de ação e outros resultados oriundos do processo de planejamento para a implementação e operações.

  • Competência, Treinamento e Conscientização

    A organização deve garantir que quaisquer pessoas, trabalhando para ela ou em seu nome e relacionadas aos usos significativos de energia, sejam competentes com base em apropriada educação, treinamento, habilidades ou experiência. A organização deve identificar as necessidades de treinamento associadas ao controle dos seus usos significativos de energia e à operação do seu SGE. A organização deve fornecer treinamento ou tomar outras ações para atender a estas necessidades.

    Registros apropriados devem ser mantidos.

    A organização deve garantir que as pessoas trabalhando para ela ou em seu nome estejam cientes:

    A - Da importância da conformidade com a política energética, procedimentos e com os requisitos do SGE

    B - De suas funções, responsabilidades e autoridades para cumprimento dos requisitos do SGE

    C - Dos benefícios da melhoria de desempenho energético

    D - Do impacto real ou potencial com respeito ao uso e consumo de energia de suas atividades e como suas atividades e comportamento contribuem para o cumprimento dos objetivos e metas energéticas e as potenciais consequências do desvio dos procedimentos especificados

  • Comunicação

    A organização deverá comunicar internamente sobre seu desempenho energético e SGE de forma adequada ao tamanho da organização.

    A organização deve estabelecer e implementar um processo pelo qual qualquer pessoa trabalhando para ela ou em seu nome possa fazer comentários ou sugestões de melhorias para o SGE.

    A organização deve decidir se comunica externamente sobre a sua política energética, o SGE e o desempenho energético, e deve documentar sua decisão. Se a decisão for comunicar externamente, a organização deve estabelecer e implementar um método para esta comunicação externa.

  • Documentação

    Requisitos de documentação

    A organização deve estabelecer, implementar e manter informações em papel, meio eletrônico ou qualquer outro meio para descrever os elementos-chave do SGE e suas interações.

    A documentação do SGE deve incluir:

    1. O escopo e as fronteiras do SGE
    2. A política energética
    3. Os objetivos e metas energéticas e planos de ação
    4. Documentos, incluindo registros, exigidos por esta Norma
    5. Outros documentos determinados como necessários pela organização

    Nota: O grau de documentação pode variar para diferentes organizações pelas seguintes razões:

    1. Tamanho da organização e tipos de atividades
    2. Complexidade dos processos e suas interações
    3. Competência do pessoal
  • Controle de Documentos

    Os documentos requeridos por esta Norma e pelo SGE devem ser controlados. Isto inclui documentação técnica onde apropriada.

    A organização deve estabelecer, implementar e manter procedimento(s) para:

    1. A - Aprovar documentos quanto à sua adequação antes da emissão
    2. B - Revisar e atualizar periodicamente documentos se necessário
    3. C - Assegurar que as alterações e o estado atual da revisão dos documentos estejam identificadas
    4. D - Assegurar que as versões relevantes de documentos aplicáveis estejam disponíveis em seus locais de uso
    5. E - Assegurar que documentos permaneçam legíveis e prontamente identificáveis
    6. F - Assegurar que documentos de origem externa, determinados pela organização como necessários para planejamento e operação do SGE, estejam identificados e tenham a sua distribuição controlada
    7. G - Evitar o uso não intencional de documentos obsoletos e identificar adequadamente aqueles a serem retidos por qualquer motivo.
  • Controle Operacional

    A organização deve identificar e planejar aquelas atividades de operação e manutenção que são relativas aos seus usos significativos de energia e que sejam consistentes com a sua política energética, objetivos, metas e planos de ação, de forma a garantir que sejam executadas sob condições especificadas pelo:

    1. Estabelecimento e definição de critérios para a operação e manutenção efetivas dos usos significativos de energia, onde ausências podem levar a um desvio significativo de desempenho energético efetivo
    2. Operação e manutenção de instalações, processos, sistemas e equipamentos de acordo com critérios operacionais
    3. Adequada comunicação dos controles operacionais ao pessoal trabalhando para a organização ou em seu nome

    Nota: No planejamento de situações de contingência, emergência ou potenciais desastres, incluindo a aquisição de equipamentos, uma organização pode decidir incluir desempenho energético na determinação de como reagirão a tais situações.

  • Monitoramento, Medição e Análise

    A organização deve garantir que as características-chave de suas operações que determinam o desempenho energético são monitoradas, medidas e analisadas em intervalos planejados. Características-chave devem incluir no mínimo:

    1. Usos significativos de energia e outros resultados da revisão energética
    2. As variáveis relevantes relativas ao uso significativo de energia
    3. IDE
    4. A efetividade dos planos de ação para o cumprimento de objetivos e metas
    5. Avaliação do consumo energético real versus o esperado

    Os resultados de monitoramento e medição das características-chave devem ser registrados.

    Um plano de medição de energia, apropriado à dimensão e complexidade da organização e aos seus equipamentos de monitoramento e medição, deve ser definido e implementado.

    Nota: A medição pode abranger desde apenas medidores da concessionária para pequenas organizações até sistemas completos de monitoramento e medição conectados a um aplicativo de software capaz de consolidar dados e disponibilizar análises automáticas. É decisão da organização determinar meios e métodos de medição.

    A organização deve definir e revisar periodicamente suas necessidades de medição. A organização deve garantir que os equipamentos utilizados no monitoramento e medição das características-chave forneçam dados que sejam precisos e tenham repetitividade. Os registros de calibração e outros meios de estabelecer precisão e repetibilidade devem ser mantidos.

    A organização deve investigar e responder aos desvios significativos no desempenho energético.

    Resultados destas atividades devem ser mantidos.

  • Avaliação de Requisitos Legais e outros Requisitos

    Em intervalos planejados, a organização deve avaliar a conformidade com requisitos legais e outros requisitos aos quais subscreve que são relevantes ao uso e consumo de energia.

    Registros dos resultados das avaliações de conformidade devem ser mantidos.

  • Auditoria interna do SGE

    A organização deve conduzir auditorias internas em intervalos planejados para garantir que o SGE:

    1. Esteja em conformidade com ações planejadas para a gestão da energia incluindo os requisitos desta Norma
    2. Esteja em conformidade com os objetivos e metas energéticas estabelecidas
    3. Seja efetivamente implementado e mantido e melhore o desempenho energético

    Um plano e cronograma de auditoria devem ser desenvolvidos considerando a situação e a importância de processos e áreas a serem auditadas, assim como os resultados de auditorias anteriores.

    A seleção de auditores e a condução de auditorias devem garantir objetividade e imparcialidade do processo de auditoria.

    Registros dos resultados de auditorias devem ser mantidos e relatados à alta direção.

  • Não-conformidades, Correção, Ação Corretiva e Ação Preventiva

    A organização deve tratar não-conformidade(s) existente(s) e potencial(is) por meio de correções, e tomando ações corretivas e preventivas, incluindo:

    1. Análise crítica de não-conformidades ou potenciais não-conformidades
    2. Determinação das causas de não-conformidades ou potenciais não-conformidades
    3. Avaliação da necessidade de ações para assegurar que não-conformidades não ocorram ou ocorram novamente
    4. Determinação e implementação de ações necessárias apropriadas
    5. Manutenção de registros de ações corretivas e preventivas
    6. Revisão da efetividade das ações corretivas e preventivas tomadas

    As ações corretivas e preventivas devem ser apropriadas à magnitude dos problemas existentes ou potenciais e às consequências de desempenho energético encontradas.

    A organização deve garantir que quaisquer alterações necessárias sejam realizadas no SGE.

  • Controle de Registros

    A organização deve estabelecer e manter registros conforme necessários para demonstrar conformidade aos requisitos de seu SGE e a esta Norma e aos resultados de desempenho energético alcançados.

    A organização deve definir e implementar controles para identificação, acesso e retenção de registros.

    Registros devem estar e permanecer legíveis, identificáveis e rastreáveis para a atividade relevante.

  • Análise Crítica pela Direção

    Geral

    A intervalos planejados a alta direção deve revisar o SGE da organização para assegurar sua continuada pertinência, adequação e efetividade.

    Registros da análise crítica pela direção devem ser mantidos.

    Entradas para análise crítica pela direção

    Entradas para análise crítica pela direção devem incluir:

    1. Ações de acompanhamento de análises críticas pela direção anteriores
    2. Revisão da política energética
    3. Revisão de desempenho energético e respectivos IDE
    4. Resultados de avaliações de conformidade com requisitos legais e alterações em requisitos legais e outros requisitos aos quais a organização subscreve
    5. Grau do cumprimento de objetivos e metas energéticas
    6. Resultados de auditorias do SGE
    7. A situação de ações corretivas e preventivas
    8. Desempenho energético projetado para o período seguinte
    9. Recomendações de melhoria.
  • Resultados da Análise Crítica pela Direção

    Resultados da análise crítica pela direção devem incluir quaisquer decisões ou ações relacionadas a:

    1. Alterações no desempenho energético da organização
    2. Alterações na política energética
    3. Alterações nos IDEs
    4. Alterações em objetivos, metas ou em outros elementos do SGE consistentes com o comprometimento da organização para melhoria contínua e alocação de recursos

Basicamente todas estas etapas seguem o fluxograma abaixo, tornando-se um aprimoramento contínuo de ações para eficiência energética se manterem altas e seus custos com energia elétrica e outros insumos baixos.

Fluxograma sistema de gestão de energia